Medicina e Odontologia

Médico e Dentista Medicina e Odontologia: a hora é essa!!!

 

 

Ainda a velha brincadeira que diz que dentista é um médico frustrado ressoa nos corredores universitários. Talvez aí se inicie uma forma inconsciente de desagregação de duas profissões que juntas seriam muito mais fortes e competentes. Sabe-se hoje, através do extraordinário avanço das pesquisas recentes, a importância de uma abordagem integrada entre a medicina e a odontologia, cujo potencial de benefícios ao paciente ainda é impossível de se avaliar. Por todo o século XX persistiu a suspeita de que processos infecciosos de origem bucal podiam causar enfermidades sistêmicas genéricas. Mas a ciência, que necessita de evidências incontestáveis para suas afirmações, fez com que essas observações caíssem por terra abaixo. Assim, o termo visto por mais de um século, é uma linha delimitante entre as práticas da medicina e da odontologia.

 

Os avanços observados na última década no emprego das técnicas moleculares, de estatística e de biologia, têm possibilitado aos pesquisadores um melhor entendimento de muitas condições humanas complexas de natureza multifatorial, tornando-se cada vez mais claro que muitas doenças crônicas podem apresentar fatores de riscos comuns, interagindo durante longos períodos de tempo e determinando, em conjunto, tanto o início como a gravidade de determinadas patologias. Por considerar que quanto mais médicos e dentistas tiverem uma apreciação significativa do impacto que as doenças bucais podem ter sobre as condições sistêmicas e vice-versa, e na certeza de que mais pacientes poderão ser monitorados e ter seus riscos diminuídos na evolução de determinadas enfermidades.

 

Acreditamos que o melhor caminho para solidificação deste processo de união seja abrir as nossas portas e trocarmos conhecimento com o objetivo de oferecermos o melhor para os nossos pacientes. Se continuarmos agindo de forma isolada, nas nossas pesquisas e nos nossos consultórios, provavelmente passaremos mais um século perdendo tempo e deixando escoar, literalmente pelas mãos, a oportunidade de fazermos uma medicina e odontologia melhor.

 

Hoje a compreensão dos mecanismos que estabelecem o rompimento das barreiras de uma odontologia focada nos aspectos locais para uma visão multidisciplinar, com diagnóstico e tratamento baseados em evidências científicas, deve ser de conhecimento de todos aqueles que têm como objetivo primordial promover a saúde. Podemos aqui descrever as mais básicas relações atualmente estudadas como diabetes, doenças cardiovasculares, climatério, menopausa, parto pré-termo, baixo peso ao nascer, tabagismo, portadores do HIV, manifestações auto-imunes, transplantados, etc. Enfim, só iremos desenvolver estudos e ganhos clínicos se, como bons amigos, trocarmos conhecimento e assim juntos crescermos.

 

Dra. Celi Vieira Novaes

Vice-Presidente da ABO-DF

 

Revista ABO-DF 2005 Julho/Agosto/Setembro; N°26