Navegação

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais

Você está aqui: Página Inicial / Conheça a Clínica Humanus / Biossegurança / 14. CUIDADOS NO LABORATÓRIO DE PRÓTESE (Miller; Pallenik)

14. CUIDADOS NO LABORATÓRIO DE PRÓTESE (Miller; Pallenik)

 

DESGASTE E POLIMENTO

O trabalho laboratorial em moldes, aparelhos e próteses só deve ser realizado sobre material desinfetado. O envio de dispositivos não desinfetados para o laboratório cria condições para a infecção cruzada.

BROCAS E PEDRAS

Todas as brocas e pedras usadas no laboratório devem ser esterilizadas antes do uso e empregadas para material de um único paciente, antes de serem esterilizadas novamente.

TORNOS E VENTILAÇÃO

O trabalho com o torno odontológico tanto pode causar uma difusão da infecção, como injúria. A ação rotatória dos discos, pedras e tiras gera aerossóis, respingos e projéteis. Sempre que o torno for usado, deve-se colocar óculos protetores, abaixar o protetor de plexiglas e acionar o sistema de ventilação. É altamente recomendado o uso de máscara. TODOS os acessórios, como pedras, discos de pano e tiras devem ser esterilizados entre usos ou jogados fora. O torno deve ser desinfetado duas vezes ao dia.

PEDRA-POMES

Para cada paciente devem ser usados pedra-pomes e forradores de bandeja novos. O baixo custo da pedra-pomes e a comprovada contaminação bacteriana presente na pedra-pomes reutilizadas PROIBE usos múltiplos.

POLIMENTO

Se o material a ser polido foi preparado assepticamente, são mínimos os riscos de infecção. Para evitar a difusão potencial de microrganismos, contudo, todos os agentes para polimento devem ser retirados em pequenas quantidades dos reservatórios grandes. O material não usado não deve retornar ao estoque central, mas sim, eliminado. A maioria dos acessórios para polimento é de uso único, descartável. Os ítens reutilizáveis devem ser, se possível, ou esterilizados ou desinfetados entre usos.

CASOS INTERMEDIÁRIOS

Tanto as próteses parciais como as totais passam por um estágio intermediário de experimentação em cera. Coroas, pontes esplintadas e armação de próteses parciais frequentemente são testadas antes da cimentação ou soldagem. Elas devem ser desinfetadas antes de serem devolvidas ao laboratório. Na maioria dos casos, os procedimentos são os mesmos descritos para o trabalho terminado.